Avançar para o conteúdo principal

Qual será o nome do demónio do estudo?

 Lembro-me de um filme de há muitos anos com o Denzel Washington e uma banda sonora magnífica dos Rolling Stones. Fallen, um filme muito interessante de que não vou falar, mas que gira à volta de um Anjo Mau - Azazel.

Neste momento acredito que esse anjo terá um primo bom e que resolveu encostar-se à minha filha. Há mais de um mês fui com ela ao Corte Ingles comprar o material escolar novo. Gosto de tratar das coisas com a devida antecedência, não estar em filas infernais e ter todas as possibilidades de escolha. Pois a minha filha anda numa excitação tal porque ainda não tem os livros (no es mia culpa), e que lhe falta material escolar. 

Isto só pode ser uma força sobrenatural de carácter discutível que se apoderou da criança. Não duvido que com tanto brio, dedicação e força de vontade, esta menina ganhe asas e vá longe, seja lá qual for o caminho que queira um dia seguir. Gosto tanto, mas tanto dela.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,