Avançar para o conteúdo principal

Aquele instinto maternal….

 Estava eu sentada nas bancadas a ver a aula de natação da minha filha, ao mesmo tempo que falava ao telefone com uma amiga e, no meu raio de visão havia uma criança bebé, naquela fase em que correm tudo, mas meio trôpegos. Assim era ela. Cheia de energia a subir bancadas acima com cadeiras pelo meio e eu dei comigo a pensar que aquilo tinha tudo para correr mal.

A mãe tranquila a uns bons metros de distância, ia atirando para o ar “ai a menina isto, ai a menina aquilo”.

Bom, foi tudo muito rápido, mas só vejo a miúda a tombar pelas bancadas abaixo, eu levanto-me com uma rapidez que nem sei como foi possível e deito-lhe um braço, a mãe continua impávida e serena, olha para mim com ar de superioridade e diz:

“Ah, muito obrigada!” Assim, fria, não se levantou do sítio em que estava, e lá continuou na sua negligência altiva e passiva. A criança passado o susto e o decidir se chorava ou não, lá se recompôs e continuou na sua escalada pelas bancadas.

É por estas e outras que eu vou morrer cedo porque isto dá-me cabo do sistema nervoso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,