Avançar para o conteúdo principal

 A poucos dias do início do ano lectivo, há que reorganizar a vida e as cabeças. Ela está como se sabe expectante e feliz e eu começo a ter que me estabilizar de novo. Algumas mudanças aqui no chip mental nos últimos dias e toda uma nova organização.

O horário dela vai mudar teoricamente. Se no ano passado entrava todos os dias pelas 13.30h e saía pelas 18.20h, para além das duas vezes por semana em que tinha aulas em contra-turno, este ano altera o turno, e ao que parece passará a entrar pelas 08:00h com saída às 13.00h, o que de facto é muito mais produtivo para crianças destas idades. Está provado que assimilam muito mais os conteúdos de manhã, antes de almoço, do que no período da tarde.

Gosto que ela participe no nosso esquema familiar e questiono sempre a opinião dela para que possamos tomar em conjunto decisões para o nosso dia a dia, pelo que há pouco perguntei-lhe onde prefere almoçar: se na escola ou no centro de estudos.

“Tu é que sabes mãe, o que for melhor para ti. Eu estou bem se tu também estiveres.”

É tão generosa. Amo esta sua genuinidade mas começo a achar que tem que cultivar algum egoísmo e pensar mais nela em primeiro lugar. Tem aqui a mãe como exemplo de pensar sempre nos outros e depois o retorno foi o que sempre que se viu. Tudo na medida certa faz-nos mais felizes, sem sombra de dúvida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri