Avançar para o conteúdo principal

 A poucos dias do início do ano lectivo, há que reorganizar a vida e as cabeças. Ela está como se sabe expectante e feliz e eu começo a ter que me estabilizar de novo. Algumas mudanças aqui no chip mental nos últimos dias e toda uma nova organização.

O horário dela vai mudar teoricamente. Se no ano passado entrava todos os dias pelas 13.30h e saía pelas 18.20h, para além das duas vezes por semana em que tinha aulas em contra-turno, este ano altera o turno, e ao que parece passará a entrar pelas 08:00h com saída às 13.00h, o que de facto é muito mais produtivo para crianças destas idades. Está provado que assimilam muito mais os conteúdos de manhã, antes de almoço, do que no período da tarde.

Gosto que ela participe no nosso esquema familiar e questiono sempre a opinião dela para que possamos tomar em conjunto decisões para o nosso dia a dia, pelo que há pouco perguntei-lhe onde prefere almoçar: se na escola ou no centro de estudos.

“Tu é que sabes mãe, o que for melhor para ti. Eu estou bem se tu também estiveres.”

É tão generosa. Amo esta sua genuinidade mas começo a achar que tem que cultivar algum egoísmo e pensar mais nela em primeiro lugar. Tem aqui a mãe como exemplo de pensar sempre nos outros e depois o retorno foi o que sempre que se viu. Tudo na medida certa faz-nos mais felizes, sem sombra de dúvida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.