Avançar para o conteúdo principal

Filas de espera....um mal necessário...como as odeio

 Hoje é o dia agendado pela escola para levantar os livros escolares para o 6º ano. Aquele horário fantástico das 09:00h-13:00h e 14:00h-18:00h. Cheguei já faltavam poucos minutos para as 09:00h. Aqui trabalha-se como acredito que na maioria dos lares e acho que as coisas deveriam ser organizadas de outro modo, quanto mais não fosse entregassem os manuais aos próprios alunos aquando do início das aulas; traziam o documento para os Encarregados de Educação assinarem e estava feito.

Mas não, é tudo à antiga, a fila à porta da escola e pessoas com mais que fazer. Nestas coisas prefiro ir o mais cedo possível, mas feliz ou infelizmente, há quem pense como eu. Cheguei. Estavam lá literalmente meia dúzia de pessoas à espera, mas esperei exactamente 60 minutos, que é como quem diz....isso, uma hora!

Não sei qual é o problema das pessoas, se se põem na conversa, se demoram muito tempo a soletrar o nome dos filhos ou não conseguem assinar 2 papéis em menos de nada, porque eu estive lá com as senhoras por 5 minutos, não demorei mais - ora, e isto é aritmética do mais básico possível: se eu quando cheguei tinha meia dúzia de pessoas à frente e eu demorei 5 minutos lá dentro, eu teria que ter esperado no máximo 30 minutos e não 60. Mas não, a realidade é bem mais caótica. Depois ainda há quem leve a família toda:  avô, a avó, a criança, o telemóvel da criança que depois liga para o pai, o cão, a tartaruga e com sorte, um piolho ou uma pulga hospedado no seu corpinho são e enxuto.

Saí de lá com os livros, é o que interessa e a vislumbrar uma fila bem maior do que aquela meia dúzia de pessoas que lá estava quando cheguei. Mais um rito cumprido, o do levantamento dos manuais escolares. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,