Avançar para o conteúdo principal

As pessoas não gostam de ser quem e como são

 O irónico é que na grande maioria dos casos analisam os factos de uma forma exógena. Nada contra mas, dá que pensar.

Uns/umas querem aumentar o tamanho dos seios, corrigir o nariz, colocar implantes de cabelo porque não conseguem lidar com a alopecia genética ou própria da idade, sobretudo nos homens, ácido hialurónico e botox na face…tudo para contrariar as mazelas próprias da idade, idade essa que no matter what vai continuar a constar nos documentos oficiais e legais.

Reafirmo que não tenho nada contra e as clínicas de estética precisam de clientes, mas não observo o mesmo fervor em corrigir as questões endógenas, o interior tão ou mais defeituoso que o exterior. Porque interessa a montra, não interessa o conteúdo, não importa o que mais importa…que redundância. 

Os profissionais de saúde na área de psiquiatria, psicologia, coaching e afins tão pouco têm mãos a medir mas por norma são procurados para ajudar a compor interiores quebrados, sabotados, auto-estimas, dilemas…não são magos, não conseguem transformar quem não sabe analisar o seu interior, mas acredito que se cada um olhasse para dentro de si, como olha, qual Dorian Gray para o seu retrato, e tivesse essa vontade manifesta de ter um interior tão perfeito, ainda que com a ajuda de bisturi, como o exterior, as relações humanas estariam num estágio bem superior.

Sou uma idealista e sê-lo-ei até morrer, mas cada vez mais desconfio da espécie humana. São tão poucos ou raros os seres humanos que de facto evoluem emocionalmente, naquele campo dos afectos, do olhar para o outro e entendê-lo verdadeiramente, respeitá-lo e deixando os interesses pessoais de lado harmonizar. É disso que se trata. É isso que fica no coração, ou que deveria ficar. O verdadeiro interesse pelo outro ser humano, pelo seu semelhante, pelo seu parceiro, pelo seu amigo.

Mas a fogueira das vaidades está cada vez mais ao rubro, e persiste em ser alimentada com acendalhas de egos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.