Avançar para o conteúdo principal

De coração cheio

 Esta pandemia que vai virar endemia veio alterar tudo. Trouxe muita coisa má, muita incerteza, uma ou outra coisa boa, mas tudo diferente do que era a realidade, do que era usual. As relações sociais ficaram alteradas e o simples acto de estar com as pessoas de quem gostamos ficou assim para lá de longínquo.

Tenho um amigo, grande grande amigo de há quase 20 anos. Uma amizade que se foi desenvolvendo ao longo do tempo, que foi crescendo, quebrando barreiras e atrevo-me a dizer que não teremos segredos um com o outro. E o amigo masculino é quase sempre tão mais leal e sensato do que a amiga masculina. 

Pois que obviamente que o nosso contacto telefónico e através das redes sociais se manteve mas há mais de um ano que não nos víamos, algo inédito. Tínhamos o hábito de no mínimo uma vez por mês fazermos a nossa tertúlia em que estávamos juntos, falávamos de tudo e de nada, de coisas mais ou menos profundas. Hoje retomámos e que bom que foi a partilha face to face dos nossos dias, dos últimos tempos; aquelas partilhas em que dá para sorrir, rir, chorar, levar uns abanões. Que saudades que tinha e que preenchido ficou o meu coração. 

Obrigada meu querido Amigo. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,