Avançar para o conteúdo principal

O tema do dia

 “Mãe, eu nunca na vida daria um órgão a quem não fosse da minha família!”

Respirei fundo e fiz-lhe uma breve resenha acerca do tema transplante. Depois passamos para altruísmo e afins. Portanto a fotografia da coisa para o lado do dador e para o lado de quem precisa e que hoje não sabemos se amanhã estaremos na lista de espera. Expliquei-lhe que para certos órgãos podem ser dadores vivos mas que, se doam um órgão, ficam com outro e não morrerão por isso - ficarão certamente com um sentimento de felicidade extrema por terem ajudado a prolongar a vida de alguém.

Os dadores mortos, assim como assim, por eles já nada havia a fazer. 

Continua desconfiada.

Até que lhe disse que eu própria estou inscrita como dadora de medula óssea e que portanto não estou de acordo com a posição dela, mas tenho que respeitar. Função didáctica: “eu só espero que nunca ninguém perto de ti necessite de um transplante de um dador anónimo, pois talvez aí percebas que não se deve pensar nas coisas de ânimo leve e atirar para o ar ideias pouco solidárias.”

Isto tocou-lhe. Disse que se calhar vai pensar melhor e ler sobre o assunto.

Vá, já é um bom princípio o de procurar informação. E mesmo que continue a não concordar, que o seja por outro tipo de argumento que não o “eu não vou dar um órgão a um estranho”.

Isto de se transmitir valores morais à nossa descendência não é de facto tarefa fácil.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.