Avançar para o conteúdo principal

O tema do dia

 “Mãe, eu nunca na vida daria um órgão a quem não fosse da minha família!”

Respirei fundo e fiz-lhe uma breve resenha acerca do tema transplante. Depois passamos para altruísmo e afins. Portanto a fotografia da coisa para o lado do dador e para o lado de quem precisa e que hoje não sabemos se amanhã estaremos na lista de espera. Expliquei-lhe que para certos órgãos podem ser dadores vivos mas que, se doam um órgão, ficam com outro e não morrerão por isso - ficarão certamente com um sentimento de felicidade extrema por terem ajudado a prolongar a vida de alguém.

Os dadores mortos, assim como assim, por eles já nada havia a fazer. 

Continua desconfiada.

Até que lhe disse que eu própria estou inscrita como dadora de medula óssea e que portanto não estou de acordo com a posição dela, mas tenho que respeitar. Função didáctica: “eu só espero que nunca ninguém perto de ti necessite de um transplante de um dador anónimo, pois talvez aí percebas que não se deve pensar nas coisas de ânimo leve e atirar para o ar ideias pouco solidárias.”

Isto tocou-lhe. Disse que se calhar vai pensar melhor e ler sobre o assunto.

Vá, já é um bom princípio o de procurar informação. E mesmo que continue a não concordar, que o seja por outro tipo de argumento que não o “eu não vou dar um órgão a um estranho”.

Isto de se transmitir valores morais à nossa descendência não é de facto tarefa fácil.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,