Avançar para o conteúdo principal

How to get away with murder - Then again

 Já tinha partilhado que estou fã desta série...e o sentimento continua o mesmo. Estou a aproximar-me do final da 3ª temporada, and counting.

Viola Davis continua uma diva - não sei onde termina a vilã e começa a heroína, e vice-versa. Só consigo ver alguns episódios já a noite vai longa; são densos, embora não demasiado extensos, mas com tantos flashbacks, flashforwards e no flashes at all por vezes dou comigo a ter que fazer uma pausa, voltar atrás para rever um diálogo porque algo me escapou.

Ontem morreu um dos meus preferidos, o puto Wes. Cometeu uma falha gigante na primeira temporada, culpa teve pouca e é o epíteto de um bom rapaz. Vejo-me a ter uma paixão por um Wes. É daquelas pessoas com que cada vez nos cruzamos menos, que se preocupa verdadeiramente com os demais, não teve uma existência nada, mas mesmo nada fácil, entra no curso de Direito quase sem saber como, é inteligente, meigo, comete um homicídio, apaixona-se por uma borderliner e gosta verdadeiramente dela, ao ponto de prejudicar a vida dele por ela...é um herói romântico, no fundo, um bom rapaz.

E isto pode ser transposto para a realidade - eu, que já trabalhei numa prisão e lidei com situações e pessoas tão complexas, sei do que falo. Se existem lobos em pele de cordeiro, também existem cordeiros, em pelo de coiote. Nem sempre tudo é tão simples e taxativo quanto parece.

...morreu o Wes, agora resta saber quem é que me levou o herói. E cheira-me que a trama, dado que leva seis temporadas, ainda vai fazer desaparecer mais uns quantos, bons, maus, ou assim assim. No fim, tal como na vida real, nem sempre triunfam os bons.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,