Avançar para o conteúdo principal

A melhor pessoa

 Conheço uma pessoa, aliás, tenho a sorte de conhecer uma pessoa, que…é a melhor pessoa que conheci na minha vida. Por muitas voltas que a vida dê, até o conhecer nunca me tinha cruzado com ninguém assim, e tão pouco conheci depois disso alguém que partilhe com ele, o mesmo patamar.

Quis o destino que, embora sejamos de nacionalidades diferentes e habitemos em países diferentes, nos cruzássemos profissionalmente e algures no tempo tenha sido meu Manager. Nunca na vida tinha conhecido alguém assim: um líder, um estratega, um simplório, um amigo. Um amigo que dados os anos de convivência, chorou comigo em alguns dos meus momentos mais difíceis, mas acima de tudo me colocou num patamar aos olhos dos outros que eu sempre achei não merecer. Pessoas novas que se cruzavam de novo comigo nas lides profissionais vinham até mim sempre com o comentário: “O Javier fala muito bem de ti”, ou “O Javier gosta muito de ti e diz que adorou todos os dias que trabalhou contigo, diz que és o céu”.

Eu lá mereço este carinho quando tudo na verdade diz respeito a ele próprio. E é unânime. Não conheço uma pessoa que não o veja desta maneira. A melhor pessoa que alguma vez conhecemos. E porquê? Porque consegue a plenitude: bom profissional, bom colega de trabalho, excelente amigo, de uma simplicidade irreversível e inigualável, bom pai, bom marido…com um nível de inteligência emocional com que nunca me cruzei na vida.

Deixou de ser meu Manager há uns bons anos, mas continuamos por cá. Podem passar meses que não nos “cruzamos” mas naqueles momentos em que eu preciso de um carinho, não sei como, ele está lá.

Hoje, do nada, recebo uma mensagem, e é daquelas coisas tão simples, e que caiu numa fase em que precisava mesmo de um sinal, de luz, de alguém que me fizesse sentir que…estou viva, e que lá longe se lembrou de mim:

“Hola Taniaaaa…..que es solo saber si te va todo bien 

sere el único que te escribo sin marrón.

Bueno…darte un besazooooo”

Foi tão, mas tão reconfortante. Que pena existirem poucas pessoas assim. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.