Avançar para o conteúdo principal

A melhor pessoa

 Conheço uma pessoa, aliás, tenho a sorte de conhecer uma pessoa, que…é a melhor pessoa que conheci na minha vida. Por muitas voltas que a vida dê, até o conhecer nunca me tinha cruzado com ninguém assim, e tão pouco conheci depois disso alguém que partilhe com ele, o mesmo patamar.

Quis o destino que, embora sejamos de nacionalidades diferentes e habitemos em países diferentes, nos cruzássemos profissionalmente e algures no tempo tenha sido meu Manager. Nunca na vida tinha conhecido alguém assim: um líder, um estratega, um simplório, um amigo. Um amigo que dados os anos de convivência, chorou comigo em alguns dos meus momentos mais difíceis, mas acima de tudo me colocou num patamar aos olhos dos outros que eu sempre achei não merecer. Pessoas novas que se cruzavam de novo comigo nas lides profissionais vinham até mim sempre com o comentário: “O Javier fala muito bem de ti”, ou “O Javier gosta muito de ti e diz que adorou todos os dias que trabalhou contigo, diz que és o céu”.

Eu lá mereço este carinho quando tudo na verdade diz respeito a ele próprio. E é unânime. Não conheço uma pessoa que não o veja desta maneira. A melhor pessoa que alguma vez conhecemos. E porquê? Porque consegue a plenitude: bom profissional, bom colega de trabalho, excelente amigo, de uma simplicidade irreversível e inigualável, bom pai, bom marido…com um nível de inteligência emocional com que nunca me cruzei na vida.

Deixou de ser meu Manager há uns bons anos, mas continuamos por cá. Podem passar meses que não nos “cruzamos” mas naqueles momentos em que eu preciso de um carinho, não sei como, ele está lá.

Hoje, do nada, recebo uma mensagem, e é daquelas coisas tão simples, e que caiu numa fase em que precisava mesmo de um sinal, de luz, de alguém que me fizesse sentir que…estou viva, e que lá longe se lembrou de mim:

“Hola Taniaaaa…..que es solo saber si te va todo bien 

sere el único que te escribo sin marrón.

Bueno…darte un besazooooo”

Foi tão, mas tão reconfortante. Que pena existirem poucas pessoas assim. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri