Avançar para o conteúdo principal

Washing machine

Pois é, calha a todos; a minha máquina de lavar roupa decidiu avariar.

Deu-lhe na tola e mandou-me trabalhar a mim. Não faço ideia do que poderá ser, porque completou o ciclo de lavagem, fez o primeiro enxaguamento, centrifugou e depois ficou para ali a fazer barulho...pensei eu, está parva, desligo e volto a ligar.

Desligá-la, tinha que o fazer, senão às tantas aquilo ardia, mas dado o facto de ser uma LG toda electrónica, deve ter baralhado os circuitos e decidiu não fazer nada.

Qualquer comando que eu lhe ordene, a tipa tranca a porta, espera 5 segundos e desliga-se completamente. Agora tenho uma pilha de roupa meia suja/meia lavada, a máquina estoirada e a fazer contas à vida de quanto será o arranjo e quando a terei ao activo de novo.

Diz a minha mãe - traz a roupa para cá; o Honey - lava na minha. Ya, é mesmo exequível fazer isso. Andar de trouxas para trás e para a frente; quando a roupa retornasse já precisava de ser lavada outra vez. Mas com uma bebé, começo a ficar em stress; collants e cuecas precisam-me valha-me Deus.

Como isto aconteceu à noite, no meu turno de doméstica com a criança já deitada, no dia a seguir de manhã contei-lhe o que tinha acontecido.

Ela começa a rir-se (eu confesso que não estava a perceber qual a piada) e sai-se com esta:

 - Boa mamã, vamos comprar outra ao Côquinête!

É assim que as crias têm a noção do valor do dinheiro :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri