Avançar para o conteúdo principal

Washing machine

Pois é, calha a todos; a minha máquina de lavar roupa decidiu avariar.

Deu-lhe na tola e mandou-me trabalhar a mim. Não faço ideia do que poderá ser, porque completou o ciclo de lavagem, fez o primeiro enxaguamento, centrifugou e depois ficou para ali a fazer barulho...pensei eu, está parva, desligo e volto a ligar.

Desligá-la, tinha que o fazer, senão às tantas aquilo ardia, mas dado o facto de ser uma LG toda electrónica, deve ter baralhado os circuitos e decidiu não fazer nada.

Qualquer comando que eu lhe ordene, a tipa tranca a porta, espera 5 segundos e desliga-se completamente. Agora tenho uma pilha de roupa meia suja/meia lavada, a máquina estoirada e a fazer contas à vida de quanto será o arranjo e quando a terei ao activo de novo.

Diz a minha mãe - traz a roupa para cá; o Honey - lava na minha. Ya, é mesmo exequível fazer isso. Andar de trouxas para trás e para a frente; quando a roupa retornasse já precisava de ser lavada outra vez. Mas com uma bebé, começo a ficar em stress; collants e cuecas precisam-me valha-me Deus.

Como isto aconteceu à noite, no meu turno de doméstica com a criança já deitada, no dia a seguir de manhã contei-lhe o que tinha acontecido.

Ela começa a rir-se (eu confesso que não estava a perceber qual a piada) e sai-se com esta:

 - Boa mamã, vamos comprar outra ao Côquinête!

É assim que as crias têm a noção do valor do dinheiro :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,