Avançar para o conteúdo principal

1974-2014 (25 de Abril - 40 anos)

Desde cedo que em casa se falou de coisas interessantes e muito cedo me foi contado por quem o viveu cá, e numa colónia portuguesa o 25 de Abril.

Depois vieram os programas escolares, a necessidade em saber mais, os trabalhos, e lembro-me que devia andar para aí no 11º ano quando se perfizeram os 20 anos do 25 de Abril, havia um programa na televisão intitulado "20 Anos, 20 Nomes" se não estou em erro.

E enquanto alunos fizemos reportagens, teatralizações, adaptações do Grandola, Vila Morena...vivemos aquilo muito a sério e contámos com a ajuda e colaboração dos nossos pais que viveram in loco a revolução.

E agora já vamos nos 40 anos; quem sabe daqui a 10, quando se comemorarem os 50 anos, não vá eu ajudar a minha Bébécas num trabalho sobre o mesmo tema.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,