Avançar para o conteúdo principal

Hoje foi mau

Tivemos um grande quid pro quo aquando da chegada a casa.

Ainda nem sequer lhe tinha tirado o casaco e posto a minha roupa de casa, já ela estava aos gritos a pedir torradas!?

Não sei de onde tirou esta ideia, mas como é óbvio, antes do jantar se quer comer, come fruta...mas não, gritou, berrou, apanhou-me ao telefone e deu-me um safanão nas costas.

Bem, rodei a baiana e zanguei-me muito a sério até porque já estou farta de a avisar que não lhe admito faltas de respeito; sou uma mãezona, faço das tripas coração para não lhe faltar nada, mas não deixo de ser a Mãe.

Curiosamente nos dias em que me zango a sério, em vez de se isolar, ainda clama mais por colo e carinho e tento não lhe dar confiança nos primeiros momentos, pois tem que perceber que fico magoada com estas más atitudes.

Lá passou, pediu desculpa, lá lhe disse que as desculpas estavam pedidas, quanto à sua aceitação...iria demorar o seu tempo...foi breve.

Mas logo de manhã começámos mal o dia; é de uma vaidade com a roupa, que com a pressa que as primeiras horas da manhã exige, perco a paciência para discutir que afinal não vai a camisola que de véspera tinha posto de parte e iria uma t-shirt num dia de dilúvio.

Ok, as meninas são assim, mas eu com a idade dela não era. E se leva All Star entende que eu devo ir para o escritório de All Star e mais ainda, embirra que também quer ir para o escritório.

E pergunta se está bonita, pede para ir ao espelho...estou a criar um(a) Dorian Gray ou quê???

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri