Avançar para o conteúdo principal
Na semana passada fomos jantar fora e escolhi uma grelhada mista, com o intuito de deixar as salsichas para a minha pequena.

Estava óptimo, até costeleta de borrego tinha.

O arroz de ervilhas estava óptimo, mas sua excelência embirrou que "não gosta de ervilhas". Que fase esta do "não gosto"; na realidade ela parece só gostar de esparguete e salsinhas e ovo e por sua vontade apenas comia isto a todas as refeições.

Tem sido uma semana cansativa, a minha irmã só teve alta hospitalar ontem e confesso que fui fazendo coisas que sabia que não me iriam dar muito trabalho para que ela depois comesse. Mas hoje, já andava para aqui a matutar que o jantar tinha que conter ervilhas!

Fiz-lhe um creme de legumes com as ditas; a primeira reacção foi:

 - Não gosto disso.

A segunda:

 - Não vou comer isso.

A terceira já me coube a mim:

 - Vamos lá a jantar se não queres que a mamã fique triste contigo, aiaiai.

E lá correu bem, e a rapariga até se lambeu com o creme de ervilhas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,