Avançar para o conteúdo principal

Mas que grande noitada :)

Isto de se ter crianças, é sempre uma imprevisibilidade, e eu que o diga.

Esta madrugada desperto com o chamamento da criança - mãe, mãeeeeeee.

Lá abri o olho, disse que já ia a caminho e a pequena disse-me que tinha perdido a "Naínhas". É grave de facto, é a grande companheira dela desde que ambas existem.

Entrei no quarto sem acender a luz para não lhe ferir os olhos e cheirou-me a qualquer coisa; pelo tacto nada de "Naínhas" lá a avisei que ia acender a luz, ela lá me disse que a coelha tinha caído pelos pés da cama, apanhei-a e continuei a achar que algo ali não batia certo.

Destapei-a, a fralda estava bastante composta e pelo elástico da perna esquerda vejo "escuridão".

Aquilo não foi um simples cócó, foi uma grande borrada mesmo. Era lençol de cima e de baixo, cobertor, edredon, a ela o dito chegava-lhe quase até à cabeça...e eu, com calma, a perguntar-lhe:

 - Fizeste cócó filha?

E ela:

Não!

Foi de gritos, eu nem sabia como é que havia de pegar nela para não ficar também apetrechada de trampa.

4 e pouco da madrugada a rapariga na banheira, uma azáfama desgraçada, mudar roupas, mandar o mau odor embora - foi de gritos. Mas depois adormeceu outra vez que nem um anjo - imagine-se, aqueles intestinos agradeceram.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri