Avançar para o conteúdo principal

"Reciclar" o espaço

Confesso que as minhas aspirações a nível de consumo são muito generosas; a nivel intelectual muito mais ambiciosas e cada vez tenho mais a certeza de que não vou conseguir saber e aprofundar tudo aquilo que gostaria.

O meu tempo começa a escassear...

Mas a nível de consumo confesso que gostava de ter uma casa enorme; ainda não sei bem se o duplex, então triplex seria o ideal, ou uma moradia, mas as moradias têm as suas vantagens e desvantagens - seria basicamente a piscina para a minha filha, e um big cão, ou 2, mas um Castro Laboreiro era certinho :).

Chateia-me o facto da minha mãe me vir com a conversa do que iremos herdar (eu e a minha irmã), porque ela própria me educou na base de que temos que contar com o que conseguimos alcançar sozinhos e não esperar que nos caiam bens de mão beijada. Isso é um perfeito disparate.

Já o disse à minha mãe e são apenas 2 objectos dela que "cobiço", no bom sentido - o vestido que usou no casamento com o meu pai e uma tarteira de porcelana lindíssima; nada mais...e sobretudo que ela viva pelo menos durante a minha eternidade. Temos uma relação tão complexa, mas ela é tão importante para mim.

...mas não me importaria que a vida me proporcionasse um golpe de sorte e eu ter espaço para tudo e mais alguma coisa, pois hoje andei a retirar algumas coisas mais "abébézadas" do quarto da minha cria, para haver espaço para tudo o resto. E ela reclamou, claro. Pediu-me para eu levar para a arrecadação e não dar a outros meninos, mas já lhe disse que há coisas que guardamos e serão sempre dela, outras podemos fazer com que um menino algures sorria e possa brincar e ser tão feliz quanto ela tem sido até agora.

Já fomos dar algumas coisas a quem delas precisa, ela acabou por ser portar muito bem, percebeu que para ela não fazia qualquer diferença, e para os outros fez toda a diferença do mundo.

Mas os brinquedos de hoje, não serão doados; quando muito emprestados às filhotas das minhas amigas mais próximas, e assim vamos tendo a nossa própria onda de solidariedade e partilha entre amigos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.