Avançar para o conteúdo principal

Maníacos das limpezas vs pessoas com graves problemas de organização

Para não ter que dizer "pessoas porcas".

Ao fazer um pouco de zapping à tarde, porque isto de ser a menina Bébécas a monopolizar a televisão com os desenhos animados vai ter um fim trágico para ela (porque tudo o que se torna vício é para mim negativo e pernicioso), fui parar creio que ao canal TLC e não consegui desgrudar.

Então deparei-me com um programa em que pessoas super asseadas e organizadas, entram nas casas daquelas pessoas que acumulam todo o lixo possível e inimaginável (acumuladores) e tentam pôr ordem na capoeira.

Nunca tinha visto tanta porcaria, desorganização; eu, por muito altruísta que seja, não era capaz de ir limpar tamanha porcaria.

Pois que aqueles maníacos das limpezas, em 4 dias conseguem transformar uma lixeira, num local onde se pode viver, limpo, cheiroso e desinfectado. Adorei.

O que me espanta é que aquelas pessoas não tenham vergonha de mostrar as suas casas naquele estado de sujidade e de acumulação de lixo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,