Avançar para o conteúdo principal

A parte cómica e surreal do dia

A páginas tantas a minha colega da recepção passou para mim uma chamada de um Sr. que necessitava do contacto telefónico de uma empresa nossa sub-contratada no norte do país.

Por não ser comum nem expectável eu dar esse contacto, questionei-o qual o assunto e sendo eu responsável por essa área, em que poderia ser-lhe útil.

Diz-me o homem assim:

 - "Ah, é que eu trabalho numa empresa mesmo ao lado da vossa e aconteceu-me um problema e preciso de ajuda...a senhora está no Porto?"

 - Não - disse eu, estou em Lisboa, mas em que sentido necessita da nossa ajuda? - longe de mim imaginar o que estava para vir.

 - "É que eu estou aqui mesmo ao lado da vossa empresa e fiquei preso dentro da minha carrinha e não consigo sair, e era para ver se alguém podia vir aqui tirar-me de dentro da minha carrinha."

Confesso que me deu vontade de rir, ao mesmo tempo que lhe ditava algarismo a algarismo o número de telefone de um colega e grande amigo que estava nesse local, tive que me conter para não me desmanchar....mas longe do que ainda estava para vir!

Dei uns 5 minutos e lá liguei ao meu amigo a saber se alguém o tinha contactado e tal, ele começa com interjeições e meio a rir disse-me que eu não tinha bem a noção do sítio em que o homem tinha ficado "preso".

Palavras do meu amigo:

 - "Naquela rua em que ele está que não tem saída e é estreita, não foi lá fazer coisa boa!"....e ria, ria.

Eu, ainda longe do desfecho perguntei se afinal o homem estava preso dentro do carro ou não conseguia tirar o carro da rua...mas fui esclarecida que ele estava preso dentro do carro, aliás, carrinha.

O meu amigo, que já adivinhava o que se passava, pediu a terceiros para irem destrancar o homem...e foram, só que de dentro da carrinha, saiu o homem......e uma....."amiga". LOL

Portanto o homem foi para a carrinha "divertir-se" e ficaram trancados lá dentro. LOL ao quadrado.

Depois de muito me rir, não resisti....como tinha ficado gravado no meu telefone o número do dito, resolvi ligar-lhe e perguntei-lhe do modo mais afável possível se já estava livre e que tinha ficado preocupada porque cheguei a pensar que ele poderia ter sido assaltado e preso dentro da própria carrinha.

Ahahahahahahaha....e ele a dizer que tinha passado para a parte de trás para ir buscar uns papéis e tinha ficado preso...não falou foi de que tipo de "papéis"se tratava.
Lá terminei a conversa, dizendo que melhor assim, que não tinha passado de um susto - porco!

Há pessoas mesmo muito badalhocas!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.