Avançar para o conteúdo principal

"Sou uma mãe que também perdeu um filho. Queria dizer-lhe que ainda vai ser feliz" - Sociedade - PUBLICO.PT

"Sou uma mãe que também perdeu um filho. Queria dizer-lhe que ainda vai ser feliz" - Sociedade - PUBLICO.PT

Que tristeza que me invadiu ao reler este relato; já conhecia, mas é sempre horrível e arrepiante relembrar. Infelizmente conheço mais do que um caso de pais que perderam os seus filhos...e não tenho as palavras adequadas para descrever o que testemunhei.
Desde o meu padrasto que perdeu um filho quando este tinha apenas 11 anos, um casal conhecido que perdeu uma menina de 7, o Paulinho do Paulo Sousa e Costa, e o P. da nossa amiga I. este já com 30 anos e por último o meu primo muito recentemente...a dor daqueles pais estava cravada no rosto e é algo que nunca se apaga.

Agora que sou mãe, que gerei a minha filha com tanto amor, que passei por um trabalho de parto tão complicado em que podia ter acontecido o pior, no fundo, dei vida ao ser mais importante do meu mundo...não consigo mesmo conceber como é que estas pessoas que conheço e tantas anónimas, conseguem aprender a lidar com tamanha dor...pessoas de coragem mesmo. Uma lição de vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,