Avançar para o conteúdo principal

Estou triste com a Bébécas

Ela é um doce, a minha paixão, essas coisas todas, mas como ninguém é perfeito, ela tão pouco o é.

Tem uma forma de lidar com os brinquedos que por vezes não me agrada; tudo bem, eu fui sempre muito zelosa com as minhas coisas, tenho brinquedos com 30 e tal anos com os quais me fartei de brincar e parece que saíram ontem da loja...não era de estragar, raramente o fiz.

A minha filha é quase o oposto, não sei se por herança genética do outro lado, ou que seja uma característica mesmo dela - mas tem umas certas aptidões para estragar, destruir, sei lá com que intuito.

Não tenho por hábito esconder as coisas para ela não mexer; quando ela chegou, já tudo estava nos seus devidos sítios e a curiosidade dela tem que se adaptar ao meio que a rodeia e não o contrário.
Mas a tendência dela em desmontar os brinquedos, forçar as bandoletes até as partir, torcer as hastes dos meus óculos graduados e de sol (ainda não torceu as dos dela porque tive que os segregar), deitar coisas no lixo, entre as quais uns brincos de ouro meus que tenho desde miúda oferecidos pelos meus avós (e que nem sei como os consegui recuperar)...ela faz de tudo.

Mas tenho também o reverso; porque mal tiramos a fralda ela vai a correr colocá-la no lixo, limpa os pés no tapete, sabe que a mamã não quer que os sapatos estejam em cima dos sofás e das cadeiras e quando a dispo ao chegarmos a casa para lhe ir dar o banho, ela vai a correr pôr a roupa dentro da máquina - curioso porque eu a coloco sempre no cesto e quando o mesmo enche faço a separação da roupa e aí sim, ponho-a a lavar.
Mas ela já entendeu e apreendeu que a roupa suja vai para a máquina...mas...não só...se por algum motivo entende que um dado boneco está encardido, lá vai ele para a máquina; já sabe que a loiça da máquina é para arrumar nos seus lugares, e como ainda só chega à gaveta dos talheres, por mais do que uma vez foram talheres por lavar para a gaveta...e um sorriso inocente a dar conta de que tinha feito um excelente trabalho e tinha ajudado a mamã.

É de facto uma faca de dois gumes esta característica da minha bebé, mas gostava muito que ela valorizasse mais as coisas, os brinquedos e afins, porque o acto de estragar por si só, aflige-me.

Curiosamente há 2 semanas atrás quando a deixaram perder um dos bebés dela, na altura não deu muita importância, pois que desde esse dia, não há dia que não me pergunte pelo bebé, e que lhe quer ir dar banho...eu já fui à loja que o vende e para piorar só o vendem em pack's, ou com a banheira e a cadeira da papa (que é o conjunto dela), ou com o carrinho e a espreguiçadeira (que ela também já tem) - portanto, era uma vez um boneco.

Talvez aproveite essa deixa para que ela entenda que quando estraga as coisas, jamais as voltará a recuperar, mas para uma cabecinha de 2 anos isto é muito complicado, muito mesmo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.