Avançar para o conteúdo principal

Choro de bebé

Se é um facto que é cada vez mais uma menina, e menos uma bebé, aquele choro de "mamã, preciso de ti" continua a enganar o mais distraído, e parece que se continua a tratar de uma bebé de poucos meses a precisar de colo.

Hoje eram 5 da manhã e o choro inconfundível...mau hábito o meu, estava a dormir noutra assoalhada que não o meu/nosso (momentaneamente) quarto, porque me perco com as séries que me encantam e depois adormeço qual Bela Adormecida, e ouvi-a. Lá deixei passar os minutitos da praxe e como não acalmou, lá fui ver o que se passava....

Talvez um sonho mau, uma dorzinha, ou saudades da mamã...peguei nela, deitei-me de barriga para cima com ela aninhada por cima de mim, e foi assim até ao toque de alvorada.

Adoptámos esta posição quando ela nasceu e me perdia no sono dela ainda na maternidade, e sempre que sinto que precisa de mim, é aquela posição e aquele conforto que a tranquilizam; de facto funciona e não falha.

E eu perco-me com o cheirinho e o calor da minha bebé. O mundo não tem nada melhor, não tem mesmo!

Comentários

Engraçado como essas posições
iniciais depois se prolongam.
Vim agradecer o seu registo no
meu plullina. Tenho mais, por
exemplo o http://intemporal-pippas.
blogspot.com ou
http://sinfoniaesol.wordpress.com
Beijinho
Irene

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,