Avançar para o conteúdo principal

A loucura tem limites

Agora para se vingarem dos outros...toca a atear fogo na primeira coisa que aparece.

Um dos incêndios que deflagrou há uma semanas atrás, terá sido ateado (segundo os jornais) por uma senhora que descobriu que o marido a andava a trair e consumava o que tinha que consumar no capim...fogo à floresta.

O outro queria a quota, mas não tinha direito a ela, estava proibido de se aproximar...fogo às pessoas dentro do elevador...mas que pouca vergonha vem a ser esta?

Quanto ao primeiro caso, eu até sou solidária com a traída, e os dois trastes deviam levar um correctivo...mas a justiça pelas próprias mãos não leva a lado nenhum, e a floresta é que não tem culpa nenhuma caramba.

Mais valia ter feito como o gang das mulheres traídas que aqui há uns tempos se uniram e deram uma valente sova a uma tipa qualquer que se tinha metido com o marido de uma delas; não é aplaudível, mas foi uma sova merecida. Se umas quantas tivessem direito a uma lição dessas, pensariam duas vezes antes de se meterem  "com os maridos das outras".
Mas os traidores/as esses então também podem levar uma bela lição....e a vida mais cedo ou mais tarde encarrega-se disso....mas....repito......atear fogo à floresta é que NÃO!!!!

Quanto ao episódio sinistro de ontem do elevador....estou sem palavras; não quero sequer imaginar o sofrimento daqueles seres humanos às mãos de um HellBoy qualquer que, dito por ele, "lhes queria pregar um susto". Será que nestes casos o olho por olho, dente por dente não deveria ser aplicado?

Mesmo que leve a pena máxima em cúmulo jurídido, cumpre pouco mais que metade, porta-se bem, entra em regimes abertos e o raio que o partam, ainda curte a velhice cá fora...e aquelas almas é que arderam teoricamente no inferno em vida! Isto faz-se!???

Por uma quota, por uma herança, pela porcaria do dinheiro????

Eu sei do que falo - quanto mais definidas estiverem as coisas, melhor. Cada um com o que é seu, o que é nosso, nós é que sabemos a quem queremos que pertença...e há sempre formas de contornar não só o que por lei está imposto, contornar no sentido de ser praticada justiça, e de deixarmos tudo organizado de tal forma que, aconteça a fatalidade hoje, depois de amanhã ou daqui a 40 anos, podem degladiar-se à vontade, mas quando fica tudo lavrado em escritura pública...bem que se podem espancar e chatear, que no fundo, não vai valer de nada.

Ao senhor em questão saiu-lhe o tiro pela culatra, embora isso não traga quem faleceu à vida - ao cometer um crime de homicídio (neste caso 3), temos pena...mas perde o direito à herança! A nossa justiça tem muito a melhorar, mas pelo menos neste campo, é de facto uma grande lição.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.