Avançar para o conteúdo principal

Finalmente o Testamento Vital

Nestas e noutras coisas o pragmatismo caracteriza-me; mas, como qualquer ser humano, também encerro em mim o dom da irracionalidade quando a "mostarda me chega ao nariz", e aí, se eu por acaso sei que a razão está do meu lado, qual Dogue Argentino, qual raça mais perigosa de todos os tempos, eu não só não largo o osso, como a carne....enfim, não é de todo fácil.

Eu não quero saber se defronto um urso, um dinossauro ou mesmo as trevas....mas nesses momentos, medo, é palavra que não tem significado no meu dicionário.
Portanto, desafiarem a minha razão, é das piores coisas que me podem fazer...e o troco é devolvido, nem que seja passado tanto tempo, que o carrasco até já esqueceu aquilo que fez.

Se assim não fosse, era canonizada, e não está de todo nas minhas pretensões.

Adiante....

Foi com grande satisfação que acedi ontem à notícia de que, finalmente, o Testamento Vital é possível no nosso país e que passou a ter enquadramento legal - já não era sem tempo.

Esta realidade levou-me a relembrar um episódio que se passou comigo há muitos, muitos anos atrás, tinha eu pouco mais de 20 anos e recebo para além de, no dia menos oportuno de todos e na presença de terceiros, algo que também era dispensável....um anel de noivado, com um sorriso idiota da outra parte na cara, eu acabada de chegar do aeroporto e a pensar (mas porque é que eu não fiquei lá) e o ilustre, mas pouco, pedido de casamento; assunto acerca do qual já se tinha falado e eu não tinha dado a mínima importância.

Não acreditava e continuo a não acreditar na Instituição Casamento nem tão pouco acho o contrato em si vantajoso para ambas as partes; para eu acreditar nessa Instituição a minha outra parte que habita por esse mundo fora teria que cruzar-se comigo, teria que possuir a leveza de espírito suficiente para me fazer acreditar que assinar mais aquele contrato ia ser algo de útil, porque de papéis já uma pessoa fica farta desde que nasce...e de facto esse ser Galáctico não se cruzou comigo e duvido com 99,9% de certezas que alguma vez se cruze nesta encarnação.

Mas como gosto de analisar as coisas, não lhe respondi de imediato ao "pedido", e perguntei-lhe sim, o porquê...casarmos....ai sim...e porquê? As respostas gosto de ti, amo-te, quero passar o resto da vida contigo - para mim são tretas do mais absurdo que há, uma vez que não respondem à pergunta objectiva que eu coloquei.

A cereja no topo do bolo; a resposta mais absurda e idiota que eu poderia ter ouvido e que transcrevo:

"É que se algum dia te acontecer alguma coisa que tu não tenhas capacidade para decidir, quero ser eu a ter essa responsabilidade!"

What???? O homem é louco; o homem vai dar-me cicuta, vai atirar-me aos tubarões e vai abotoar-se ao meu Seguro de Vida, e no fim ainda palita os dentes com a minha tíbia!

QUEM DECIDE O QUE FAZER OU NÃO, OU SOU EU NO PERFEITO USO DAS MINHAS FACULDADES MENTAIS, OU SOU EU POR TER DEIXADO ESCRITO EM TESTAMENTO, OU É A MINHA MÃE (que ao meu pai não lhe confiro tamanha generosidade) porque no fundo me gerou, me carregou durante 9 meses e tal (coitada), me pariu e jamais escolheria o desfecho que mais me fizesse sofrer.
Tal como qualquer mãe, obviamente, tirando as raras excepções das mães das "Joanas" do Algarve que por aí há.


....e a resposta ao porquê do "casamento" era tão simples...e há de facto uma resposta que foge ao "amo-te" e tal...coisas lamechas e por aí.

Mas deixo aqui uma mensagem de apreço a alguns maridos que por aí infelizmente não abundam e que apesar de tudo conseguem ser originais e dizer em 3 ou 4 palavrinhas a importância que tem para eles levar a sua jovem ao altar, ao registo, à beira da praia ou seja lá onde se queiram casar.

Por acaso numa conversa recente e despropositada, houve uma pessoa que do nada me disse exactamente onde é que eu, a fazê-lo, algum dia me casaria....e naquele local, sinceramente não seriam precisas palavras, pois o local fala por si.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.