Avançar para o conteúdo principal

Bom ou mau sinal!?

Retirar uma amostra de um tecido específico do nosso corpo, o mesmo ir para análise e sermos informados que o resultado demora cerca de 3 semanas e que assim que sair algo somos contactados pelo Sr. Dr. tem os seus quês.

Hoje por acaso já fez 4 semanas; ah e tal, se houver alguma coisa o médico diz pessoalmente, senão mandamos para casa, espere mais uns dias.

Isto quererá dizer o quê? É que eu ainda não decidi como é que quero que se realize aquele evento em que eu vou de certeza participar (é uma das duas certezas que tenho na vida)!

Comentários

Anónimo disse…
Ó Brown Eyes! Esse evento é lá para depois da viragem do século e o teu tecidinho está bom e recomenda-se, foi o Aragorn que me disse. Beijinho
Brown Eyes disse…
Começo a ficar ansiosa, e espero que o Aragorn te tenha dito a verdade; não a que queremos ouvir, mas a real.
O resultado da minha análise ainda não chegou :(

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,