Avançar para o conteúdo principal
Ufa, que dorzinha de costas depois de mais uma pilha de roupa passada a ferro :(

Comentários

Vim conhecer o seu blogue através
do da drª. Helena Sacadura Cabral.
Vi o seu comentário lá e a resposta
que ela lhe deu que eu subscrevo.
Amiga tudo se tem que superar. Eu
tive um relacionamento de amizade
com uma amiga durante 40 anos,acom-
panhei o nascimento dos filhos, o
seu crescimento, toda a sua vida,
ajudei em tudo o que pôde, ela
fazia férias connosco, enfim era como se fosse uma irmã, e ao fim
de 40 anos ela acabou com a nossa
relação não se importando absoluta-
mente nada com o meu sofrimento.
Tinha novas amizades, pessoas com
mais dinheiro, mais perto dela, eu
vivia um pouco longe, mais importantes a nível social do que eu, portanto eu podia ser deitada
fora.Obviamente que um marido, o pai dos seus filhos é bem diferente,mas também bão foi digno
de si. Sei que será uma grande
responsabilidade criar sozinha os
seus filhos, espero que tenha apoio
familiar e que tenha capacidade de
superar. Tente nunca ir abaixo...
Um grande beijinho e desculpe estar
aqui com toda esta conversa.
Tenho 65 anos, alguma experiência
de vida, penso eu.
Beijinhos
Irene Alves



Brown Eyes disse…
Muito obrigada pela sua partilha, pela sua força, pela sua curiosidade em vir conhecer-me um pouco mais...e de facto a sua experiência de vida, sendo mais do que a minha e a forma sensata como encara as coisas também me inspiram.
O efeito que as palavras da Dra. Helena Sacadura Cabral tiveram em mim foram soberbos, as suas também me encheram de força e ajudam-me a preencher aquilo para o qual deixei de tentar procurar explicações. Vou viver, pois deixei de o fazer durante algum tempo.

Muito obrigada e um beijinho para si também

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.