Avançar para o conteúdo principal

A confusão que é a industria farmacêutica

Polémicas à parte, ganham mesmo muito dinheiro, infelizmente pelo facto de tantos milhões de pessoas estarem doentes e precisarem de medicação para os seus males.

Hoje aconteceu algo que me fez constatar a confusão que isto é; fui à farmácia comprar um medicamento cujo preço ronda(va) os 20€; não havia, foi-me dito que por norma as pessoas só querem o genérico, mas reservei e fui lá mais tarde.

Quando chegou a hora de pagar pedem-me cerca de 12€; desculpe, não se enganou??

Não, não, o preço baixou muito. Como as pessoas agora compram quase sempre os genéricos, as farmacêuticas baixaram drasticamente os originais.

Ahhhhhhhhhh....para baixarem os preços dessa maneira, ainda têm que estar a ganhar dinheiro. Há grandes negócios, de facto!

Cada vez mais tenho a certeza que a tão famosa "Crise" podia ter sido evitada, pelo menos da forma como a conhecemos na pele.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,