Avançar para o conteúdo principal

Algo não está bem...

Se é que o que está a ser veiculado por alguns orgãos de comunicação social, corresponde à verdade, no mínimo choca-me...no máximo nem há comentários próprios a emitir.

  • Um rapaz matou o pai porque ele e os irmãos eram alegadamente alvos/vítimas de violência doméstica e como manobra de defesa face ao pai que ia esmagar os irmãos com um tractor, o filho matou-o = medida de coacção = Prisão Preventiva

  • O indivíduo que gosta de brincar com alcool e sacos no elevador e ao mesmo tempo assassinar barbaramente 3 pessoas encarceradas a arder lá dentro, coitadinho queimou-se, entregou-se na esquadra, mas entretanto foi para o hospital, repito, coitadinho, para tratar dos ferimentos = ainda não foi presente a Juiz = estando no hospital goza de total liberdade

  • Três indivíduos que terão molestado cada um pelo menos 1 criança pelo nosso Portugal profundo e marcando-as para sempre = medida de coacção = não manterem contacto com as suas vítimas e apresentarem-se periodicamente às autoridades

O filho que matou o pai poderia continuar a exercer actividade criminosa - é discutível, mas entendo. Talvez consiga um Homicídio Simples...matou...tudo bem...prisão preventiva mesmo que o pao fosse um monstro.
O louco do elevador não matou 1, nem 2, mas sim 3 pessoas com requintes de grande malvadez e imputação de grande sofrimento às vitimas, está internado num hospital público e ainda goza de liberdade - qual é a dúvida de que este indivíduo é uma arma letal em potência!?...cuidado, vejam bem a fotografia dele, porque coitado de quem se cruzar com ele enquanto continuar á solta.
Os imundos dos pedófilos nesta perspectiva passam a não constituir perigo para as já vitimas, pois estão proibidos de se aproximar delas - subjectividade ao seu mais alto nível; qual é a garantia que as vítimas têm que os tarados não se voltam a aproximar, vão andar guardados pela Polícia? E das pseudo-futuras vítimas, ninguém se lembra!?

Mas a presunção de inocência é só para alguns e nalgumas circunstâncias, quando está mais do que claro que qualquer destes exemplos constitui perigo para a sociedade?

PS: reitero que o meu comentário se baseia nas informações veiculadas hoje pela comunicação social, que ao estarem correctas...deixam-me estupefacta.
E pior do que isso é achar que o actual sistema não está a funcionar, porque continuam a colocar atrás das grades pessoas com delitos menos graves...e os verdadeiros perigos da sociedade continuam à solta.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.