Avançar para o conteúdo principal

Visão pirosa do mês passado

Estava eu a circular no meu veículo automóvel há uns dias quando os meus olhos se cruzaram com algo... bizarro.

No sentido oposto vinha um Smart, pintado de cor-de-rosa, um tom de rosa feio por sinal, ou já descolorado pelo tempo e, o detalhe que me captou a atenção foi algo que tive que dispor de uma fracção de segundos para digerir, pois o meu cérebro não foi sequer capaz de me transmitir a mensagem de imediato.

Pois que no topo da antena tinha....a cabeça da Minnie!

Será que o ser humano não se apercebe das figurinhas tristes que faz, for Christ sake!?

O positivo no meio disto tudo é que a minha filha não estava presente, pois por mais que me esforce ainda está na idade em que quer eu queira quer não, em termos de gostos ainda pende um bocado para o chinelo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,