Avançar para o conteúdo principal

Portanto, provou-se 2 meses depois que eu tinha razão - foi a mulher do triatleta que engendrou a morte do marido

Para todas as pessoas com quem "discuti" este assunto e perante os argumentos que apresentei, lá estava eu a atirar as culpas para o alvo mais fácil, e coitada da mulher que até andou a colocar cartazes e que levou vestida para o funeral uma t-shirt do marido.

Bom, para além do facto da Investigação Criminal ser uma das minhas paixões, o facto de ter trabalhado num Estabelecimento Prisional em que lidei com vários tipos de criminosos deu-me algum calo; o que aprendi com a minha formação em Sociologia deu-me outras ferramentas e o facto de contrariamente ao campo pessoal que até há bem pouco procurava não "ler" as pessoas e seguir o coração, quando se trata de situações relacionadas com trabalho ou em que se impõe uma interpretação a frio, a verdade é que não falho.

Desde o primeiro dia sempre disse com as devidas ressalvas, do "Deus me perdoe se estou a emitir um juízo errado", mas foi a mulher. Ah, e tal, lá estás tu, desta vez estás enganada, o homem coitado foi atropelado, a coisa correu mal e depois quiseram fazer parecer outra coisa...blá blá blá.

Nem com os meus argumentos baseados em factos, muitos dos factos que hoje finalmente vieram a público pela Comunicação Social acreditavam que o desfecho pudesse ser este. Até gostava de saber que provas conseguiram encontrar na análise ao tapete que enrolou o cadáver.

A verdade é que bastava olhar com atenção para aquela mulher e não só ouvir, mas fazer uma leitura às declarações que ela prestou, sendo que para mim a gota de água foi numa das idas à PJ, ter sido interpelada à saída pelos jornalistas e do alto da sua arrogância comentar algo do género: "estão à espera de alguma vedeta?" - meus caros, desvendam-se muitos enigmas única e exclusivamente pela análise de comportamentos, e este não era de todo o de uma viúva sofrida.

Cada vez mais acho que me devia ter ficado lá atrás pela Direcção Geral dos Serviços Prisionais mesmo que a recibos verdes e mal paga, devia ter voltado a tentar entrar na PJ, tomando uma boa dose de vitaminas uns meses antes para não cair outra vez nos testes médicos e físicos, porque de facto estas temáticas dão-me um gozo enorme. E então se me tivesse dado para o Direito, via Magistratura, este tipo de gente ia toda lá para dentro.

….e os nossos Códigos Penal e de Processo Penal deveriam ser revistos. Aumentem as penas para esta gente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.