Avançar para o conteúdo principal

Portanto, provou-se 2 meses depois que eu tinha razão - foi a mulher do triatleta que engendrou a morte do marido

Para todas as pessoas com quem "discuti" este assunto e perante os argumentos que apresentei, lá estava eu a atirar as culpas para o alvo mais fácil, e coitada da mulher que até andou a colocar cartazes e que levou vestida para o funeral uma t-shirt do marido.

Bom, para além do facto da Investigação Criminal ser uma das minhas paixões, o facto de ter trabalhado num Estabelecimento Prisional em que lidei com vários tipos de criminosos deu-me algum calo; o que aprendi com a minha formação em Sociologia deu-me outras ferramentas e o facto de contrariamente ao campo pessoal que até há bem pouco procurava não "ler" as pessoas e seguir o coração, quando se trata de situações relacionadas com trabalho ou em que se impõe uma interpretação a frio, a verdade é que não falho.

Desde o primeiro dia sempre disse com as devidas ressalvas, do "Deus me perdoe se estou a emitir um juízo errado", mas foi a mulher. Ah, e tal, lá estás tu, desta vez estás enganada, o homem coitado foi atropelado, a coisa correu mal e depois quiseram fazer parecer outra coisa...blá blá blá.

Nem com os meus argumentos baseados em factos, muitos dos factos que hoje finalmente vieram a público pela Comunicação Social acreditavam que o desfecho pudesse ser este. Até gostava de saber que provas conseguiram encontrar na análise ao tapete que enrolou o cadáver.

A verdade é que bastava olhar com atenção para aquela mulher e não só ouvir, mas fazer uma leitura às declarações que ela prestou, sendo que para mim a gota de água foi numa das idas à PJ, ter sido interpelada à saída pelos jornalistas e do alto da sua arrogância comentar algo do género: "estão à espera de alguma vedeta?" - meus caros, desvendam-se muitos enigmas única e exclusivamente pela análise de comportamentos, e este não era de todo o de uma viúva sofrida.

Cada vez mais acho que me devia ter ficado lá atrás pela Direcção Geral dos Serviços Prisionais mesmo que a recibos verdes e mal paga, devia ter voltado a tentar entrar na PJ, tomando uma boa dose de vitaminas uns meses antes para não cair outra vez nos testes médicos e físicos, porque de facto estas temáticas dão-me um gozo enorme. E então se me tivesse dado para o Direito, via Magistratura, este tipo de gente ia toda lá para dentro.

….e os nossos Códigos Penal e de Processo Penal deveriam ser revistos. Aumentem as penas para esta gente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…