Avançar para o conteúdo principal

Associações de ideias

A miúda gosta de ler, sai à mãe e tem uma sede de saber que me deixa boquiaberta. Por vezes sinto alguma dificuldade em chegar a certos temas, não pelo seu teor, mas mais para descer à idade dela e explicar de uma forma simples.

Ontem decidiu aprofundar o tema dos plásticos/reciclagem.

Porque por hábito no dia-a-dia utilizo mais sacos de papel do que de plástico e lá lhe expliquei que o ambiente agradece, e que os plásticos chegando a rios e praias prejudicam o ecossistema, poluem, os peixes morrem, e que o plástico nos sobrevive em milhões de anos.

Resposta dela: "Mãe, mas por serem de papel, também não devemos atirar esses sacos para o chão de qualquer maneira, nem para o lixo, porque estamos a poluir o ambiente"

É um facto, esta miúda safa-se. Mas lá lhe disse que, apesar de tudo, o papel comum, em contacto com a água se desfaz, enquanto que o plástico não.

Outra resposta dela: "Pois é mamã, tens razão, eu às vezes até como papel"

....haverá algo mais a comentar perante este cenário? Eu farto-me de rir com esta miúda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,