Avançar para o conteúdo principal

Coisas estranhas que me acontecem

Computador portátil com 3 meses, de um dia para o outro deixa de dar som!

Fiz os despistes que conheço, tendo sempre em atenção que não percebo nada destas coisas e o tipo conclui que de facto existe um erro de hardware ao nível das colunas.

Remotamente um amigo tenta resolver o problema da máquina, mas confesso que eu estava tão irritada, que só o facto dele me pedir para clicar aqui e a ali já me estava a fazer passar da cabeça. Ok, dentro do meu histerismo desse dia (que não tinha nada a haver com o laptop, apenas aquela pessoa que, ao me ser muito próxima, levou estoicamente com o meu mau feitio), percebi que era um problema de drivers, mas acabámos por desistir.

Ontem a minha irmã, que percebe bem mais destas coisas do que eu, lá tentou resolver o problema e voltou a instalar as drivers todas - menos 2, as tais associadas ao som, que por artes mágicas, numa instalação qualquer programada, à qual sou alheia, ficaram desactualizadas e impedem-me de ter som.

Lá foi ao site da marca do dito, para proceder à porcaria da actualização, mas quando chega a hora H pedem uma porcaria de uma chave que eu tenho que pagar!?

Há aqui qualquer coisa que não bate certo, portanto lá vou eu ter que, no meio da papelada procurar a factura e levá-lo à loja para ver o que fazem ao bicho. Só me faltava esta.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,