Avançar para o conteúdo principal

Dias em que fico lixada com "F"

O dia tinha tudo para correr bem, ou não fosse o final de uma semana de trabalho mental árduo, resolução de problemas de trabalho e pessoais, lidar com a minha pequena Drama Queen e os seus dilemas, e até lidar com os meus - o facto é que eu não sou de ferro e a minha energia tem limites.

Resolvem agendar uma acção de formação obrigatória das 09:30h às 13:30h, o que calhando a uma sexta-feira, é de classe.

Entre um e outro deitar de olho ao telemóvel, não é que vejo uma fissura, que ainda cheguei a pensar que fosse outra coisa qualquer, e uma racha de para aí 1 centímetro. Gelei, embranqueci - nem queria acreditar.

Tive o meu primeiro telemóvel para aí aos 20 anos e obviamente que já tive alguns; nunca até hoje parti ou rachei algum, jamais. Pois tinha que acontecer asneira logo com o IPhone X - é preciso ter precisão. Não sei como aconteceu, não caiu, não tombou, nada. Resta-me imaginar que devo ter algum objecto contundente na carteira, que resolveu atacar o meu telefone.

A sorte é que como o tenho protegido com uma pelicula de vidro que me custou acima de 30€, na realidade o que está partido é mesmo a película e não o meu rico visor, mas que estou F****, perdão, lixada, lá isso estou.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,