Avançar para o conteúdo principal

Acerca da mulher que matou o marido em conluio com o amante

Não existem palavras para descrever um ser humano que consegue fazer uma coisa destas, seja ele homem ou mulher, mas a verdade é que por muito que a sociedade tenha evoluído, termos uma mulher a congeminar uma coisa destas, parece que ainda é mais chocante.

É óbvio que quando um homem pretende executar uma mulher, não precisa de ajuda, consegue fazê-lo sozinho e daí advêm as estatísticas disponíveis acerca de crimes em contexto de violência doméstica e o número de vitimas mortais femininas.

Uma mulher que queira executar o marido, dificilmente o faz sozinha, quanto mais não seja até pela sua compleição física.

Mas todo este enredo é chocante, hediondo. A tipa arquitecta isto, tem um amante, portanto é adultera, não tem tomates para se separar do marido e assumir que deixou de gostar dele, mas tem coragem para o assassinar - grande mulher, sim senhora. A verdadeira atriz que quando sair da choldra daqui a mais de 20 anos, espero, já tem lugar garantido na TVI Ficção.

Mas não deixou de ser das tais que não deixou transparecer grandes emoções, escondia a cara nas entrevistas (não é burra de todo) e imagino o regozijo ao longo das últimas a acreditar que tinha perpetrado o crime perfeito - e tantas falhas que ele teve desde o início.

Veremos o que decide o Juiz de Instrução, mas eu vejo aqui pelo menos Homicídio Qualificado com Dolo, ocultação e profanação de cadáver., premeditação. Mas com jeitinho ainda há mais uns crimes pelo meio.

Outra das coisas é que apesar de tudo, a tipa que escondia a cara nas entrevistas agora aparece de peito feito (e que por acaso até nem é pequeno) e o amante, que consegue assassinar uma pessoa a sangue frio esconde a cara. Onde foi a coragem deste monstro? Devia ser proibido - então cometem actos hediondos e depois querem passar de fininho. Era de lhe arrancar a camisola e pô-lo à vista de todos - não, este mercenário não tem lugar na novela da noite.

Que gente indigna, meu Deus.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.