Avançar para o conteúdo principal

Um pesadelo chamado IMI

Hoje acabou por ser o tema de conversa entre amigos, colegas e aqueles zunzuns que se ouvem aqui e ali. O último dia para pagar o IMI, em prestação única ou na sua primeira prestação, pois a segunda é no oportuno mês de Setembro, mês esse que representa o regresso às aulas e custos redobrados.

Estou no meu 8º ano de casa e consequentemente último de isenção, sendo que em teoria em 2014 irei pagar o IMI respeitante a 2013, isto se não se lembrarem de me começar a cobrar já para o ano.

Estou solidária com quem paga, a mim está prestes a suceder o mesmo, e é de facto aconselhável ter-se uma almofadita, caso contrário não sei onde vamos parar.

Os cálculos em que eles se baseiam e se fundamentam não fazem muito sentido, a oferta que os nossos municípios nos fazem anualmente a todos os níveis tão pouco é paralela ao que nos cobram, a somar à sobrevalorização que a AT está a fazer aos nossos imóveis dá origem a pagamentos completamente alucinantes.

Foi assim que eu fiquei, completamente alucinada ao tirar a minha caderneta predial e ver em quanto está avaliada a minha casa - eu digo em tom de brincadeira que vivo num pequeno palácio, mas não fazia ideia que para a AT, vivia mesmo. Vivo num palácio, do qual retiro as mordomias que posso, mais nada.

Agora dá que pensar se valerá a pena gastar 200 e tal euros e pedir uma nova avaliação...com o actual sistema das coisas, lá vou eu fazer as continhas, qual fiscal das finanças a ver o que tenho a ganhar/perder.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,