Avançar para o conteúdo principal

Um pesadelo chamado IMI

Hoje acabou por ser o tema de conversa entre amigos, colegas e aqueles zunzuns que se ouvem aqui e ali. O último dia para pagar o IMI, em prestação única ou na sua primeira prestação, pois a segunda é no oportuno mês de Setembro, mês esse que representa o regresso às aulas e custos redobrados.

Estou no meu 8º ano de casa e consequentemente último de isenção, sendo que em teoria em 2014 irei pagar o IMI respeitante a 2013, isto se não se lembrarem de me começar a cobrar já para o ano.

Estou solidária com quem paga, a mim está prestes a suceder o mesmo, e é de facto aconselhável ter-se uma almofadita, caso contrário não sei onde vamos parar.

Os cálculos em que eles se baseiam e se fundamentam não fazem muito sentido, a oferta que os nossos municípios nos fazem anualmente a todos os níveis tão pouco é paralela ao que nos cobram, a somar à sobrevalorização que a AT está a fazer aos nossos imóveis dá origem a pagamentos completamente alucinantes.

Foi assim que eu fiquei, completamente alucinada ao tirar a minha caderneta predial e ver em quanto está avaliada a minha casa - eu digo em tom de brincadeira que vivo num pequeno palácio, mas não fazia ideia que para a AT, vivia mesmo. Vivo num palácio, do qual retiro as mordomias que posso, mais nada.

Agora dá que pensar se valerá a pena gastar 200 e tal euros e pedir uma nova avaliação...com o actual sistema das coisas, lá vou eu fazer as continhas, qual fiscal das finanças a ver o que tenho a ganhar/perder.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri