Avançar para o conteúdo principal

Tem dotes de soprano

Com cerca de 2 horas de vida, depois de horas infindáveis em trabalho de parto e sem comer, fraca pelo esforço que a ocasião exigia, levaram-na por escassos momentos para o berçário para eu poder "almoçar" - já eram para aí umas seis da tarde.

Foi de facto o tempo de a levarem do quarto em que eu estava a fazer o recobro e caso tudo tivesse corrido bem, o mesmo quarto em que ela devia ter nascido, para o berço e eu ouvia e distinguia claramente o choro da minha filha.

Só podia ser ela. Que sofrimento. Lá pedi à enfermeira para a ir buscar; a enfermeira contestou dizendo que eu estava fraquíssima e que ela estava bem, mas eu comecei numa angústia que a senhora acabou por ir buscar a Bébécas. Ela não chorava, ela berrava a plenos pulmões.
Chegou perto de mim, com a boca em formato de smile no sentido inverso, mal sentiu o meu cheiro calou-se - e a enfermeira a servir de ama seca enquanto eu terminava o meu "almoço".

E desde sempre assim foi; é incrível que no meio de uma multidão de bebés uma mãe conhece perfeitamente o choro da sua cria. Nesta fase é não só o choro, como as gargalhadas, os gritos de êxtase, efusão e alegria.

A novidade é o prazer que lhe dá dar gritos estridentes dentro dos prédios; já apanhei vergonhas do género das pessoas abrirem as suas portas e virem em nosso socorro a pensar que estávamos a ser assaltadas!
Sobe-me um rubor pela face acima e ao mesmo tempo dá-me uma vontade de rir extraordinária; é que eu lembro-me que era exactamente igual.

No nosso palácio, na casa da avó e dos amigos do costume, já somos conhecidas e toda a gente já conclui que a Bébécas vai a sair - sim, porque isto apenas acontece à saída, tal como em Coimbra que tem mais encanto na hora da despedida.

Agora quando a ocasião é mais formal e pede descrição, forget it; não há descrição possível e a minha filha acaba por ser o motivo da risota geral, graças à sua displicência e muita graça.

...mas às vezes penso "não olhem para mim, não a conheço, não fui eu" - mas a cara dela não engana.
Quem sai aos seus não degenera.

E divirto-me, no fundo acho-lhe mesmo imensa piada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.