Avançar para o conteúdo principal

Passear

Não deve haver ninguém que goste de passear mais do que eu...e quem é que quer ser "ninguém?".

Mas a verdade é que não tenho problemas nenhuns em passear sozinha e agora com a minha Bébécas, divertir-nos, rir e admirar as suas traquinices, enfim, já lá vai o tempo de uma noitada ou outra no BBC, Jezebel, Tamariz e afins, mas como também nunca foi muito a minha praia porque à noite gosto mesmo é de dormir, mas quer dizer, também gosto que me levem a passear.

Pegar no carro todos os dias, ser o Ambrósio de toda a gente e ninguém se lembrar que aqui a je às vezes também precisa de umas mordomias, não é pedir muito, ou é!?

O que vale é que com a minha filha é exactamente o contrário - ela é que me conduz :)


Comentários

Anónimo disse…
Queres ser minha irmã, ou assim? Passear é comigo, com planos ou sem planos, a pé ou de carro, ou de comboio, ou de bicicleta, com mochila ou sem nada para além das chaves no bolso. E não conheço, nunca ouvi falar, de ninguém assim. :)
Brown Eyes disse…
Se aceitares uma "irmã" com uma Bébécas está feito!
É que eu também adoro andar a pé, de bicicleta então nem se fala, subir a Serra de Sintra, passear pelos bairros típicos de Lisboa, ir de combóio até sei lá onde, ir para fora cá dentro e lá fora, tirar fotografias, olhar o que está à minha volta com olhos de ver...

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,