Avançar para o conteúdo principal

Cosmética da Bébécas

Desde o primeiro dia que tenho muitos cuidados com a pele dela, pois já se adivinhava que iria ter os mesmos problemas alérgicos que eu, e confirmou-se.

É alérgica a tudo aquilo a que eu sou e mais alguma coisa inexplicável de quando em vez; a pele dela vira quase um campo de batalha e se na face começa a abrir feridas por todo o lado, o resto do corpo quase que "escama".

Portanto aquele corpinho não pode tratar por tu produtos de higiene do supermercado, mas nem por sombras. Desde o cabelo até ao dedinho do pé tenho que ter mesmo imenso cuidado, e em ocasiões mais complicadas lá vem a Betametasona chamada à conversa.
Curiosamente nas fases em que ela anda mais afectada, eu ando exactamente na mesma; não sei de onde é que surgem as borbulhas e a vermelhidão e gerir o incómodo por vezes é desgastante.

No meu caso até na roupa e bugigangas eu tenho que ter precauções; tecidos mais a atirar para o reles não me podem passar pelo corpo, bugigangas sem o mínimo de qualidade idem e pior, até à prata sou alérgica.
Thank God agora que me rendi à bijuteria da CK, tal como me garantiram as senhoras da loja, não há o mínimo resquício de alergia :)

Pois hoje lá fui comprar mais um creme para o corpinho dela, porque o actual já está no fim e aquilo é bom, de facto, mas custa um dinheirão.
Um simples hidratante da Bébécas é mais do dobro dos meus.

Muito fina a minha filha!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri