Avançar para o conteúdo principal

A minha irmã nasceu há 24 anos. 6 de Abril de 1988, uma criança!

É giro relembrar aqueles momentos que antecederam o momento em que a vi pela primeira vez, linda, redondinha e maravilhosa. Curiosamente numa das primeiras fotografias que lhe foi tirada, a expressão é exactamente igual à de uma fotografia que também tirei à Bébécas poucas horas após o parto.

E lembro-me de uma vida inteira dizer que quando tivesse filhos, o amor que tenho por ela seria igual - eu não sabia o que dizia, de facto a esfera dp amor é completamente diferente, mas menor não é de certeza.
Fui eu que ajudei a mudar-lhe tantas vezes as fraldas, a dar leitinho, a brincar e sobretudo a dar carinho e afectos. Vibrei com as primeiras leituras, com os sucessos escolares, com a licenciatura e com o mestrado.

É uma miúda especial, com um feitio especial, mas é de facto a melhor tia que a minha Bébécas poderia ter. Tem sido uma querida, orgulhosa, babada que até dá gosto ver. E a sobrinha adora-a.

...mas, como nem só de coisas boas recordamos as pessoas, sobretudo a "malvada" da minha irmã, não é que me fui lembrar que ela me partiu há muitos anos atrás o brinquedo por que eu mais batalhei!?
Ela partiu o meu View Master! MALVADA!!!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,