Avançar para o conteúdo principal

A minha irmã nasceu há 24 anos. 6 de Abril de 1988, uma criança!

É giro relembrar aqueles momentos que antecederam o momento em que a vi pela primeira vez, linda, redondinha e maravilhosa. Curiosamente numa das primeiras fotografias que lhe foi tirada, a expressão é exactamente igual à de uma fotografia que também tirei à Bébécas poucas horas após o parto.

E lembro-me de uma vida inteira dizer que quando tivesse filhos, o amor que tenho por ela seria igual - eu não sabia o que dizia, de facto a esfera dp amor é completamente diferente, mas menor não é de certeza.
Fui eu que ajudei a mudar-lhe tantas vezes as fraldas, a dar leitinho, a brincar e sobretudo a dar carinho e afectos. Vibrei com as primeiras leituras, com os sucessos escolares, com a licenciatura e com o mestrado.

É uma miúda especial, com um feitio especial, mas é de facto a melhor tia que a minha Bébécas poderia ter. Tem sido uma querida, orgulhosa, babada que até dá gosto ver. E a sobrinha adora-a.

...mas, como nem só de coisas boas recordamos as pessoas, sobretudo a "malvada" da minha irmã, não é que me fui lembrar que ela me partiu há muitos anos atrás o brinquedo por que eu mais batalhei!?
Ela partiu o meu View Master! MALVADA!!!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri