Avançar para o conteúdo principal
Esta semana foi terrível para ela comer, creio que desde domingo à noite...é esgotante.

Porque invento estórias, faço caretas, armo-me em tonta, tento captar-lhe por um lado a atenção, e por outro distraí-la...e nada. Ela vira-se, cerra a boca, fica com a boca aberta com os alimentos lá dentro a escorrer pelos lados, provoca o vómito, atíra com tudo para fora, não é fácil.

Ah, e tal, isso é normal, são fases! Não contra argumento, mas dias e dias seguidos não é fácil.
Até já optei por me "barricar" com ela na cazinha até estar tudo comido, saí-me bem às duas primeiras vezes, depois, já era.

No fundo passamos às vezes mais de uma hora naquilo e no fim quem acaba por já não conseguir jantar sou eu.

Hoje lá vinha eu a engendrar maneira da sessão correr melhor; pus todos os legumes e frutas que tinha em cima da mesa, fui dizendo, é a maçã, é a pera, é nabo, são os brocolos, etc, etc, depois ia-lhe perguntando, dava vivas quando ela acertava no legume e assim foi o jantar da pequena.

Papou tudo sem muitas delongas; já sei que nas próximas 2/3 refeições esta ideia vai resultar; mas tenho que começar a criar outra...a Arca de Noé já lá vai, as músicas infantis que conheço também já foram todas, o perguntar pelo nariz, pelos olhos e pela boca também já não resolve...que a imaginação caia sobre mim :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri