Avançar para o conteúdo principal
Esta semana foi terrível para ela comer, creio que desde domingo à noite...é esgotante.

Porque invento estórias, faço caretas, armo-me em tonta, tento captar-lhe por um lado a atenção, e por outro distraí-la...e nada. Ela vira-se, cerra a boca, fica com a boca aberta com os alimentos lá dentro a escorrer pelos lados, provoca o vómito, atíra com tudo para fora, não é fácil.

Ah, e tal, isso é normal, são fases! Não contra argumento, mas dias e dias seguidos não é fácil.
Até já optei por me "barricar" com ela na cazinha até estar tudo comido, saí-me bem às duas primeiras vezes, depois, já era.

No fundo passamos às vezes mais de uma hora naquilo e no fim quem acaba por já não conseguir jantar sou eu.

Hoje lá vinha eu a engendrar maneira da sessão correr melhor; pus todos os legumes e frutas que tinha em cima da mesa, fui dizendo, é a maçã, é a pera, é nabo, são os brocolos, etc, etc, depois ia-lhe perguntando, dava vivas quando ela acertava no legume e assim foi o jantar da pequena.

Papou tudo sem muitas delongas; já sei que nas próximas 2/3 refeições esta ideia vai resultar; mas tenho que começar a criar outra...a Arca de Noé já lá vai, as músicas infantis que conheço também já foram todas, o perguntar pelo nariz, pelos olhos e pela boca também já não resolve...que a imaginação caia sobre mim :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,