Avançar para o conteúdo principal

A influência da crise (e crises) nas nossas vidas

Hoje vinha um artigo num jornal diário acerca da elevada taxa de suicídios com que nos deparamos neste momento, o aumento dos acidentes rodoviários e as crianças enlutadas, por morte de um ou de ambos os pais, por motivos que também podem por si só ser associados ao factor crise financeira.

Os suicídios provocados talvez por actos de desespero e uma tentativa de fuga face a problemas que no momento podem parecer irresolúveis, alguns acidentes motivados pela distracção, pelas nossas cabeças andarem constantemente a fazer contas aqui e ali, AVC's e aneurismas em pessoas cada vez mais jovens...estamos a entrar em colapso.

Mas o que é facto é que, qualquer crise que seja influi na nossa vida, na nossa atitude perante a vida e na nossa coragem para enfrentar o que aí vem. Enfiar a cabeça na areia, curtir depressões, deixarmo-nos levar pela tristeza não resulta e quando temos pessoas à nossa volta para as quais somos importantes, esse esforço depende apenas de nós próprios.

Emocionei-me ao ver a última entrevista televisiva feita ao Miguel Portas e houve uma parte que me tocou e me fez pensar, e acho que vou ter que digerir - uma pessoa com uma doença como o cancro ter a serenidade e a sobriedade para dizer uma coisa destas, é no fundo uma lição de vida.

O Miguel disse algo do género: que apesar de saber que tinha aquela doença, que a esperança de vida tinha diminuído drasticamente, ou não, mas que não iria baixar os braços, iria encarar todas as etapas com serenidade e luta, quanto mais não fosse por respeito às pessoas para as quais ele era importante, nomeadamente os filhos, os pais, os irmãos e os amigos.

E o ponto de partida será de facto este; curioso como algumas pessoas mesmo depois de nos deixarem conseguem fazer com que nós vejamos e encaremos a vida de outro modo.

Incrível!

Comentários

Teve a coragem de, sabendo que ia morrer, lutar até ao fim. É por isso que não compreendo quem se suicida por motivos económicos...

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.