Avançar para o conteúdo principal
Então e o desplante e falta de inteligência humanas que continuam a não ter limites!?

Se há coisa que de facto me faz alergia é um homem ser sustentado por uma mulher; ou dito de outro modo mais soft, o dinheiro não lhe chegar e andar a viver o resto dos dias à conta de mulheres.

É asqueroso, indecente e não deveria haver mulheres que embarcassem num cenário desses; nem mulheres nem homens, já passámos a fase em que se vivia à sombra dos outros.

Mea culpa também que eu própria já cheguei a cair nessa teia; desde o sujeito estar à minha espera no emprego para eu lhe levar uma coisa pouca de 100€ para ir jantar e a bares que só frequenta quem é de facto muito inqualificável, pedir dinheiro para o passe e ir-se lamentando que precisava de roupa, óculos de sol, blá blá blá, e aqui a inóspita viúva rica a cair que nem uma pata nas tretas de um *****, nome que existindo é feio de dizer.

Pois que a história repete-se - dá para acreditar que um pacote de bolachas e uns iogurtes foram pagos com o cartão Visa da outra??

Há que guardar estes tesourinhos deprimentos para mais tarde numa tertúlia de amigos rir e recordar que de facto a indecência e a estupidez não têm limites :)

E comentava um amigo meu quando lhe contei o episódio: "Eh pá, mas a criatura é bem pior do que eu pensava; é que para além de estúpido é um grande parvalhão"

I rest my case!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,