Avançar para o conteúdo principal

Que dia triste

Não me lembro de viver um 25 de Abril tão inóspito. Está um dia triste, alheio a grandes comemorações, talvez enlutado pelas condições de vida com que nos deparamos e por que  muitos daqueles que foram os heróis deste dia no longínquo ano de 1974 já não se encontrem connosco para festejar.

Foi um dia histórico para a nossa democracia, mas confesso que já vivi num país em que acreditava mais do que agora, em que sentia mais segura, em que achava que podia mudar um pouco, com as minhas ideias o normal curso das coisas.

Estive quase quase a entrar para a política, há uns bons anos atrás, motivam-me sobretudo as causas sociais e da juventude, mas cedo deixei de acreditar que meia dúzia de boas ideias podem transformar isto num local melhor.
Porque em todo o lado há falta de carácter, de princípios e de palavra e sinto, cada vez mais que o esforço dos Capitães de Abril, dos ideólogos daquela época, da juventude, está a ficar esbatido com a sede de poder e de comandar um país, quando muitos dos que o comandam, não sabem gerir a sua própria casa.

E pergunto: se um indivíduo, qualquer que ele seja fracassa no seu âmbito mais restrito, nas suas causas pessoais. no seu campo profissional, se não tem um histórico programado e de notável crescimento, como poderá governar um país!?

Creio que é o que se passa neste momento sobretudo à escala europeia, em que a sede de poder é muito superior à sede de melhorar o modo de vida e as condições das nossas pátrias e nações.

Mas aqui fica a minha homenagem a todos os que fizeram com que o dia de hoje fosse assinalado no nosso calendário como o Dia da Liberdade.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.