Avançar para o conteúdo principal

"Pequê!"

Um destes dias estava a prepará-la na bancada dela (que aconselho vivamente a todas as mamãs; tem banheira incorporada, muda fraldas, prateleiras de arrumação e tudo à nossa altura porque a nossa coluna é preciosa) e ela que parece por vezes um piolho eléctrico mexeu em qualquer coisa que não devia.

E digo eu:

"Ai,ai,ai! A bebé não mexe aí, está bem?"

E responde ela:

"Pequê?"

Confesso que fiquei por momentos sem palavras, pois no fundo o vocabulário dela resume-se a ainda muito pouco, mas lá teve sapiência para um "pequê". Não será um bocadinho cedo para a idade dos porquês?

É que quando lá chegarmos de facto, acredito que vão existir perguntas e esclarecimentos muito difíceis, alguns deles para os quais eu própria não tenho resposta e o "porque sim" não será o mais adequado.

Bem, no caso em epígrafe, lá lhe fui comentando que naquela capoeira a fêmea dominante é a mamã e que o pintainho deve seguir os conselhos da galinha, porque naquela situação podia fazer dói-dói.

Não percebeu metade, mas alguma coisa lá ficou certamente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,