Avançar para o conteúdo principal

Banco público de células estaminais em risco - Portugal - DN

Banco público de células estaminais em risco - Portugal - DN

Não quero crer que uma coisa destas vai literalmente por água abaixo.
Um banco público que em pouco mais de 2 anos consegue reunir tantas amostras, tem capacidade para promover dados científicos relevantes à escala global, funciona em grande medida pelo simples acto da dádiva desinteressada e por "questiúnculas" estatais está à beira de fechar??

Vão-me dizer que todo o meu stress do dia 05/07/2010 pela manhã, quando me faltavam poucas horas até a amostra das células do cordão umbilical da Bébécas poderem dar entrada no Centro de Histocompatibilidade do Norte foi em vão?

Às oito da manhã eu de "geleira" ao meu lado a ligar para eles, eles a pedirem para falar com o "pai" que seria a pessoa mais adequada para ser o contacto deles visto que o parto tinha sido há tão pouco tempo e eu estava estafada; eu lavada em lágrimas a dizer que o "pai" me tinha abandonado grávida de termo e andava a pavonear-se com uma qualquer e que tinha mesmo que ser eu a tratar.

A senhora de lá cheia de ternura a tratar de tudo; às tantas o transportador da MRW chega à MAC e obviamente não o deixaram subir porque não estava autorizado; o segurança do meu piso não podia descer senão não ficava ninguém a pôr ordem na enfermaria; vem de lá uma obstetra de serviço, depois de mais um carinho aqui à chorona lá foi ela lá abaixo entregar a geleira ao senhor.

Às 3 da tarde ligam-me do Porto para eu ficar descansada porque o "cordão" já lá estava. E eu respirei fundo e pensei, "ufff, afinal nem tudo corre mal"; e tal como no meu caso, tantos outros casais se terão deparado com tantas outras peripécias, esperemos que por motivos bem mais felizes...e...foi tudo em vão!?

Haja esperança, porque se o prognóstico se concretizar é mais um escandalo cá do nosso burgo!

Comentários

Eu tb pasmei com a notícia... acho inacreditável que chegue ao fim o Banco Público de criopreservação. Enfim...

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.