Avançar para o conteúdo principal

A paixão tem destas coisas

É indiscutível que a paixão é uma emoção, e é fugaz ponto!

Não é um sentimento e tão pouco é duradoura, ponto!

Dura o que dura e dá lugar a outros sentimentos que tanto podem ser bons (amor) como maus (ódio e afins).

Mas existe uma excepção; a paixão por um filho. Essa não é fugaz, é mais do que uma emoção e entra em perfeita simbiose com o amor que sentimos por esse ser, carne da nossa carne, sangue do nosso sangue.

E cada dia que passa, mais intenso é o sentimento que tenho por ela e mais intenso é o meu instinto protector face a ela, de forma a protegê-la de tudo o que de mau possa advir e que esteja ao meu alcance.

E aí, uma mãe vira leoa, vira hipópotama, vira tudo, em defesa da sua cria.

Podem dizer o que disserem, até comentários racistas face à minha pessoa podem fazer - é para o lado que eu durmo melhor e mais enaltece a minha cultura e inteligência e o provincianismo e estupidez dos demais, mas quem se atrever a tocar ou a tecer qualquer que seja o comentário que denigra ou possa magoar no futuro a minha criança terá que se haver com a ira de uma mãe em protecção do seu filho.
E se no reino animal as coisas atingem proporções graves, no reino humano podem atingir proporções inimagináveis.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,