Avançar para o conteúdo principal

Traquinices e brincadeiras

Ontem foi um dia em cheio para a Bébécas; fomos ver a casa (digamos, o palácio) novo de uns amigos grandes, muito grandes, que têm duas crianças lindas, uma delas mais nova do que a Bébécas, 5 meses.

Foi o delírio. Elas riam, saltavam no sofá, atiravam brinquedos, davam beijinhos uma à outra, cada uma pedia colo à mãe da outra, enfim, foi um delírio.

Mas a minha Bébécas tem um mau génioooo. Da primeira vez apanhei a bebé C. a chorar desalmadamente e a minha com ar de caso - obviamente tinha aprontado.
Da segunda vez apanhei-a em flagrande delito, exactamente no momento em que estava a dar com um telemóvel de brincar na cabeça da amiguinha.

Mas por que raio é que a minha filha é tão brutinha!? Lá dei muitos beijinhos e fiz festinhas à bebé C., dei devagarinho com o telemóvel na tola da minha Bebécas para que ela não o volte a repetir e o balanço não podia ser melhor. Temos ali duas amiguinhas para a vida!

Foi muito giro, sobretudo para a minha que não tem este convívio diário e personalizado com bebés da idade dela, sempre que se proporcionam estes encontros é maravilhoso estarmos atentos à alegria dela, à interacção e a tudo à sua volta que lhe desperta atenção.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,