Avançar para o conteúdo principal

...faleceu

Ontem ainda a noite era uma criança e eu confesso que continuava com a expectativa de ocorrer uma melhoria milagrosa, recebemos a notícia de que a nossa amiga I. nos tinha deixado desta forma tão inesperada.

Fiquei triste e estou, não me saem da cabeça alguns momentos passados com ela, as suas "loucuras cómicas", o apego que tinha à minha filhota e a preocupação de que a criança teria fome quando o meu leite parecia já não a saciar por completo.

Os dias de férias que passei com ela quando a minha Bébécas tinha cerca de 1 mês, a boa disposição que transmitia sempre com aquelas gargalhadas imensas e alegres, a veia artística, a habilidade para o ponto cruz e as imensas peripécias que nos contava dos seus tempos de funcionária da TAP e das inúmeras viagens que fez por esse mundo fora.

Disse-lhe há pouco que a próxima vez que fosse a Nova Iorque que contasse comigo e com a Bébécas...enfim, quis o destino que não fossemos.

E vou relembrá-la com saudade, sempre que olhar para a fotografia do seu filho P. que tenho com todo o carinho na minha casa, vou também recordá-la pela força que transmitia aos amigos e por me ter feito soltar também algumas gargalhadas de quando em vez.

Sabemos de antemão que lhe vão retirar as córneas para transplante e serve de conforto saber que alguém por aí vai recuperar a visão através da doação destes orgãos da nossa amiga I.

Que descanse em paz e que depois de percorrer o caminho, esteja ela onde estiver, que vá olhando por nós.

PS: Até aquela cena de há uns meses atrás em que num acto de puro mau feitio decidiu ir fumar para dentro de uma casa de banho de um centro comercial e eu irritada e embaraçada resolvi retirar-me com a minha mãe e a Bébécas a desejar que ninguém se lembrasse de chamar o segurança, me faz ter saudades deste ser humano que agora nos deixou.

Comentários

Lamento muito... é sempre tão difícil vermos partir um(a) amigo(a)...

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,