Avançar para o conteúdo principal

Tudo ao contrário

Hoje tive que chamar a Bébécas, pois ontem à noite custou-lhe a adormecer, ainda tive que a pôr no meu peitinho e dar-lhe muitos beijinhos na testa para ver se a convencia...mas deu para o tarde e hoje de manhã é que foram elas.

Enfim, rotina do costume, agarrou-se à "Orelhinhas" e insistiu em levá-la para a casinha da avó. Mas quando lá chegou lembrou-se que tinha o "Oscar" à espera, e a "Orelhinhas" já ficou na mochila para logo ir de volta para casa, pois sem um destes dois ela não adormece.
E sempre que são lavados na máquina, lá faço o ritual de os passar pelo meu corpo para ficarem com o meu cheiro, senão a criança não se convence de que são mesmo eles.

Acordei no meio disto com um frio, uma dor de garganta e uma gripe daquelas do costume, que quase nem forças tinha para me suster de pé. Mas tinha que ser; uma apresentação importantíssima para fazer amanhã, uma formação hoje, enfim, haja trabalho que é o que se quer.

Na primeira fase do trajecto vejo ao fundo o que se parecia com um morto; não sei não; motas da polícia, ambulância do INEM, tudo a olhar para o chão e um corpo inerte e imóvel...cheira-me a morto.
Isto logo de manhã, ou seja a que horas for, incomoda.

Saí do meu micro-clima com os meus belos dos Dior na cara, estava um sol vibrante, quanto começo a entrar no Alto da Boa Viagem, Av. Marginal e por aí, parece que estava a entrar noutro planeta. Escuro como breu, nevoeiro que os fortes à beira-mar mal se vislumbravam e um frio a estalar-me os ossos.

Enfim, o dia ainda vai a meio e isto não está lá muito bem.

Comentários

Patrícia disse…
Céus, não aparecia aqui há séculos! Mas agora que cá estou, devo concordar contigo, não foi de facto um bom dia.
Mas tudo melhora, apesar da situação não ser das melhores, ao menos que se safe o espírito positivo.

Beijinhos e melhoras,
Patrícia =)
Brown Eyes disse…
Obrigada pelo miminho Patrícia...mas a gripe piorou.
Resta-me o sorriso da Bébécas para me alegrar.

Bjs

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.