Avançar para o conteúdo principal

O fim do pesadelo - 27/01/1945



Decorridos 67 anos sobre a libertação do "emblemático" Campo de Concentração e de Extermínio de Auschwitz, imagino (não consigo imaginar sequer um terço) do que poderão estar a sentir as pessoas que por lá passaram, que por lá perderam familiares; estou sobretudo com as vítimas de genocídio por esse mundo fora, sem sequer me ser possível emitir grandes considerações acerca do que foi o Holocausto.

Lembro-me que até aos meus 18/19 anos, imaginava que se um dia fosse à Polónia, gostaria de ver com os meus próprios olhos este cenário onde foram cometidas tantas atrocidades para com o povo judeu e não só.
Diziam-me sempre, quem já lá tinha ido, que não era boa ideia, pois mal se passam os portões daquela imensidão, a atmosfera fica pesada e muitas vezes as nossas pernas fraquejam.
Achei mesmo assim que "gostaria" de ver com os meus olhos o que foi "aquilo".

Andava eu no 2º/3º ano de faculdade e na cadeira de História Contemporânea do séc. XX a professora lembrou-se de nos passar um documentário com imagens e depoimentos reais da época em questão.

E decorridos talvez uns 15 anos desde essa aula, ainda me lembro como se fosse hoje do que vi, daqueles seres cadavéricos agarrados a uma rede com os olhos num horizonte que há muito tinham deixado de ver; dos abat-jours que faziam com retalhos de pele humana; de colocarem um homem dentro de um forno e ver-se minutos o que dele restava...enfim, aquelas imagens arrepiaram-me e continuo a lembrar-me delas sempre que estas datas se cumprem.

De facto, dou razão a quem mo disse há muitos anos atrás...jamais quererei ir àquele local onde se viveu um sofrimento atroz.

Estive em Berlim há uns anos e confesso que houve locais que me impressionaram pela negativa...mas tenho pena de não ter tido a oportunidade de me dirigir ao Museu Do Holocasto para poder prestar a minha homenagem aos que tanto sofreram com aquele regime.

...infelizmente há criaturas por esse mundo fora que continuam a não aprender nada com o passado.

Comentários

eu disse…
Estive lá há muitos anos. Era apenas uma miúda - mas vi enquanto tive forças. Achei e acho que era o mínimo que podia fazer para reconhecer o sofrimento de quem por ali tinha passado. E continuo a achar que valeu a pena, nem que seja para contrariar aqueles seres que negam que o holocausto tenha existido.
Brown Eyes disse…
Sabes que para esses animais que ainda hoje dizem que o holocausto não existiu, o remédio é simples: colocá-los todinhos bem juntinhos naquilo que resta de um campo de concentração, a pão e água, com umas acções correctivas sempre que reclamarem...e semanalmente ir perguntar-lhes se já mudaram de ideias.
Talvez ajudasse a abrir muita mente estúpida que por aí há.

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.