Avançar para o conteúdo principal

O receio do autismo

Muito no início de vida da minha filha, reparei nalguns sinais que achei serem incomuns e havia algo nela que me causava preocupação.

Para além do facto de ter sido exposta a um sofrimento e a uma humilhação tremendas enquando estava no período de gestação, sem qualquer apoio por parte do progenitor, afectos ou até gratidão pela filha que lhe ia dar...o meu estado emocional degradou-se ao limite e o stress apoderou-se de mim.

O parto teve complicações, eu enquanto puérpera sofri um bom bocado e tinha um certo "receio" dela. De não estar à altura da missão que me foi dada para cumprir. E para além do stress e de toda a mudança que é colocarem-nos um filho nas mãos, havia algo nela que era estranho e especial.

Comecei a ficar preocupada na fase em que supostamente ela já deveria rir...e nada. E continuei preocupada quando me apercebi que poucos bonecos lhe chamavam a atenção, e quando o fazia, era por pouco tempo, e atirava tudo para o chão e parece que tudo a insatisfazia.

Comecei a ler coisas, a sofrer antecipadamente e a tentar perceber em que medida o que eu passei no final da gravidez teria afectado ainda mais a minha bebé.

Contudo, na fase de crescimento em que está neste momento pelo que vejo o desenvolvimento está perfeitamente enquadrado e o convívio com outros bebés tem sido feito de uma forma muito terna e salutar.

Todos dizemos o mesmo quando suspeitamos que as coisas más nos toquem, mas ia ser muito duro lidar com um problema grave como este com a minha menina.

Ela é no fundo a minha vida, a minha inspiração o objecto dos maiores sonhos que lhe possa proporcionar.

Embora eu neste momento ande com umas quantas questões de saúde, mas nada que não se resolva, para ela peço acima de tudo saúde e que eu tenha sempre forças, coragem e braços para lhe proporcionar tudo o que a minha piolha merece.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,