Avançar para o conteúdo principal

O fim da Guerra Fria

Há 30 anos atrás, eu era uma criança com 11 anitos, mais do que imberbe, o pessoal lá de casa não falava noutra coisa e a minha mãe às tantas disse-me que era um dia que ia ficar para a História. O Muro de Berlim tinha “caído”. Naquela altura, para mim Berlim, era mais para os lados das bolas com creme e depois a queda de um muro ficar para a História para mim numa primeira análise seria uma tragédia. Cai um muro, morre gente nos escombros, fica na História como uma grande tragédia.

Eu tinha 11 anos, já era uma leitora assídua e por isso quis perceber que muro era aquele, e o porquê de tanta alegria perante a”queda de um muro de pedra”. Quando percebi minimamente de que se tratava lembro-me de imaginar como seria viver numa Lisboa dividida por um muro, em que de um lado se vivia em liberdade e do outro não. É difícil de perceber sem ver.

Estive lá há uns anos atrás e arrepiou-me aquele local, mas a sensação de ter uma perna em cada lado do que foi o muro, foi sensacional.

Viva a Liberdade!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,